Recentes

sábado, 3 de outubro de 2020

Acerola - Suas propriedades terapêuticas


Acerola (Malpighia punicifolia L.)

Nome popular: Acerola
Nome científico: (Malpighia punicifolia L.)
Família: das Malpighiáceas
Origem: Antilhas, América Central e norte da América do Sul

Propriedades e apresentação:

A acerola era uma fruta pouco apreciada até que, em 1946, pesquisadores da Universidade de Porto Rico analisaram seu conteúdo em vitamina C e declararam ter encontrado a fonte mais importante dessa vitamina na natureza (até 2.520 mg/100 g, segundo algumas variedades, isto é, 50 vezes mais que o limão).

Além da vitamina C, a acerola contém uma série de substâncias naturais que a acompanham e potencializam sua ação: ácidos orgânicos como o málico; e flavonoides como a rutina e a hesperidina.

Segundo Ernst Schneider, as doses elevadas de vitamina C aumentam a produção de interferom, uma proteína que inibe a multiplicação de vírus, estimula o sistema imunológico e detém o crescimento das células tumorais.

Por tudo isso, a acerola é altamente recomendável em todo tipo de infecções, especialmente nas de origem viral (gripes, resfriados etc.) e como complemento no tratamento do câncer.

Emprego e utilização da planta:

* Cruas: esta fruta tem que estar bem madura para ser consumida, e até assim é um pouco ácida.

* Sucos: costuma ser tomado combinado com outros sucos de frutas mais doces.

* Preparados industriais: com a polpa de acerola elaboram-se geleias e gelatinas.

Desidratada se usa em pó. Todos esses preparados são ricos em vitamina C.

Quando o organismo mais necessita de vitamina C:

Um adulto necessita de, no mínimo, 60 mg de vitamina C por dia.

Deve-se considerar que nossas células não armazenam essa vitamina, por isso precisa ser ingerida diariamente.

As frutas e as hortaliças frescas são a única fonte segura de vitamina C.

A carência grave dessa vitamina produz uma doença chamada "escorbuto", felizmente, hoje em dia, é uma doença rara que só ocorre em países subdesenvolvidos.

Mas, as carências leves de vitaminas C são frequentes e produzem fraca resistência frente às infecções, apatia e dores articulares.

Habitantes de países desenvolvidos podem sofrer carência de vitamina C sem ter conhecimento disso.

Em muitos casos sua carência é relativa, já que se deve ao aumento da demanda.

Isso ocorre nos seguintes casos:

* Infecções de qualquer tipo,
* Gravidez e lactação,
* Operações cirúrgicas,
* Tabagismo,
* Grandes esforços físicos.

Para satisfazer as demandas de vitaminas C nesses casos - geralmente o dobro ou triplo das normais - recomenda-se consumir, por dia, ao menos: duas laranjas ou quatro tangerinas, ou dois kiwis, ou 200g de lichia ou algumas acerolas.

Acerola mediterrânea: é fruto de um arbusto ou árvore da família das Rosáceas (Crataegus azarolus L). É parecida com a cereja e igual à acerola americana aqui descrita, também é muito rica em vitamina C (275 mg/100g).

Também conhecida como cereja-das-antilhas, a acerola tem o seu período de safra o ano inteiro e por seu alto teor de vitamina "C" foi considerada a frutinha da saúde.

Quando os espanhóis chegaram às ilhas do Caribe, no século XVI, encontraram uma árvore que dava frutos semelhantes à da acerola que cultivavam na Europa.


Não imaginavam que a acerola caribenha é muito mais rica que a europeia em vitamina C.

Uso medicinal: 

Usada no tratamento dos problemas do fígado, varicela, carência de vitamina C, afecções pulmonares, poliomelite, estresse, fadiga, gravidez, fadiga, gripes e resfriados, problemas do fígado e da vesícula biliar.

Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Imagem: de vagnergqueiroz por Pixabay 
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Nenhum comentário:

Postar um comentário