Recentes

domingo, 1 de novembro de 2020

Carqueja - Suas propriedades terapêuticas

Carqueja (Baccharis trimera (Less.) DC.)

Nome popular: Carqueja
Outros nomes: Carqueja-amarga, carqueja-do-mato, carqueja-amargosa
Nome científico: (Baccharis trimera (Less.) DC.)
Família: Asteraceae
Origem: Sul e sudeste do Brasil

Propriedades e apresentação:

A carqueja é um subarbusto, ereto, de até 1,20 metros de altura, muito ramoso, lenhoso, cilíndrico, com três decorrências foliáceas planas, rígidas, amplas, interrompidas ora de um lado, ora de outro.

Suas folhas pequeníssimas ou nulas. Capítulos multiflorais, unissexuadas, dispostas em longas espigas interrompidas, eixo trialado, sendo os superiores solitários e os inferiores aglomerados.

O invólucro dos capítulos femininos é campanulado, glabro, viscoso, com muitas brácteas imbricadas, rígidas e agudas: as inferiores, lanceoladas e as superiores, ovais.

Receptáculos plano, alvo. Flores femininas férteis, brancas, de corola truncada, filiforme, menor do que o estilete. Papus unisseriado, provido de cerdas frágeis, tortuosas e ciliadas.

Ovário quase cilíndrico e liso. Flores alvas e regulares. Corola tubulosa e com limbo campanulado, 5 fendidos. Fruto aquênio linear, glabro, pequeno. Reprodução por sementes ou por ponteiras bem novas. Partes usadas: Planta florida ou toda a planta. REF:- Tratado das Plantas Medicinais mineiras, nativas e cultivadas de Telma Sueli Mesquita Grandi.

Emprego e utilização da planta:

O chá feito de carqueja também é utilizado para combater anemia, cálculos biliares, bexiga, rins e fígado.

O amargor da carqueja é o responsável pelo estímulo de glândulas salivares e hepáticas.

Uso medicinal:

Também se usa no tratamento de reumatismo, gota e inflamações urinárias, cálculos biliares, doenças do couro cabeludo, tratamento do fígado, diabete.

Devido ao seu efeito depurador do sangue, dissolvente, diurético e purificador do organismo, a carqueja é um excelente meio curativo em casos de reumatismo, gota, espinhas, chagas venéreas, feridas e lepra.

Nestes 4 (quatro) últimos casos se deve não somente tomar o chá, ma também fazer gargarejos com um cozimento concentrado e aplicar compressas nas partes afetadas.

Adotando o regime vegetariano, as afecções desaparecerão com o transcorrer do tempo e as feridas cicatrizarão.

Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Nenhum comentário:

Postar um comentário