Recentes

domingo, 22 de dezembro de 2019

Amendoim - Suas propriedades terapêuticas

Amendoim (Arachis hypogea L.)

Nome popular: Amendoim
Nome científico: (Arachis hypogea L.)
Família: das Leguminosas
Origem: América do Sul

Propriedades e apresentação:

O amendoim constitui um alimento muito nutritivo cuja concentração em nutrientes supera a de qualquer outro alimento de origem animal, inclusive a carne. No reino vegetal, só a noz e a amêndoa podem ser comparadas em riqueza nutritiva ao amendoim.

O amendoim supera amplamente a carne e os ovos quanto à quantidade de carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas B1, C, E e a niacina; superando-os também quanto a minerais como cálcio, magnésio e potássio, tudo isso sem aportar colesterol nem excesso de ácidos graxos saturados.

Seguramente o amendoim é um dos alimentos mais concentrados em nutrientes que podemos encontrar. É certo que alguns alimentos como o mel, o  azeite de oliva, superam os amendoins em alguns nutrientes em particular (carboidratos e gorduras, respectivamente). Mas apenas as frutas secas oleaginosas, e especialmente os amendoins, contém todos os nutrientes fundamentais em uma proporção tão elevada.

Isso evidencia como é inapropriado considerar o amendoim como mero complemento de certas comidas ou um aperitivo. Quem não considerar as mais de 567 kcal/100g que o amendoim aporta, e os consumir além da refeição normal, sofrerá as consequências em forma de obesidade. E quem comê-los em grandes quantidades ou depressa, sem mastigá-los bem, sofrerá com peso no estômago ou má digestão.

As pessoas que consomem amendoins sem considerar que se trata de um alimento muito concentrado e nutritivo, costumam queixar-se de que são indigestos. Porém, consumidos com moderação, não complementando outros alimentos, mas substituindo-os, serão bem tolerados e facilmente assimiláveis.

Vamos estudar com detalhes os princípios nutritivos do amendoim:

* Proteínas: as proteínas do amendoim que, em algumas variedades chegam a 26% de seu peso (a carne não supera os 20%), são relativamente pobres nos aminoácidos metionina, lisina e treonina.

Por isso, para proporcionar todos os aminoácidos necessários para produzir proteínas completas convém comer os amendoins junto com outros alimentos, tais como:

- cereais integrais (muito ricos em metionina).

- legumes (ricos em lisina e treonina) ou com

- levedura de cerveja (rica em metionina e treonina).

* Gorduras: constituem quase a metade do peso do amendoim e pode-se extrair em forma de óleo.

Formadas por uma equilibrada combinação de ácidos graxos poli-insaturados, monoinsaturados e saturados, sendo esses últimos os nenos abundantes.

Contém uma abundante proporção de ácido linoléico e linolênico, ácidos graxos essenciais de tipo insaturados que o organismo é incapaz de produzir por si mesmo e que devem ser fornecidos pela alimentação.

Os ácidos graxos desempenham um papel muito importante na formação e renovação da pele, assim como do tecido cerebral; intervém também nas defesas imunológicas e no metabolismo do coração, já que constituem a fonte primária de energia para o músculo cardíaco.

Assim como o cérebro necessita principalmente de glicose para manter sua atividade, o coração "queima" ácidos graxos para obter a energia necessária para seus batimentos.

* Carboidratos: os amendoins contêm muitos carboidratos (até 10%), especialmente amido e maltose.

Essa é uma das razões para mastigá-los e ensalivá-los bem, de modo que a ptialina da saliva comece e facilite a digestão desses carboidratos.

Quando chegam ao cólon sem terem sido bem digeridos, isto é, sem terem sido transformados completamente em glicose, ocorrem fermentações e gases intestinais.

* Vitaminas: contém certa quantidade de vitaminas do complexo B (B1, B2 e B6), sendo muito escasso o aporte de vitaminas A e C.

Destacam-se seu conteúdo de vitamina E (9,13 mg/100g), inferior ao das sementes de girassol, das nozes, ou das amêndoas, mas muito superior ao da manteiga (1,58 mg/100g) ou dos ovos (1,05 mg/100g), que são os alimentos de origem animal mais ricos nessa vitamina.

Mas onde o amendoim alcança um autêntico recorde entre os alimentos é em conteúdo em niacina, chamada também vitamina B3. A niacina atua no organismo como uma coenzima que facilita numerosas reações químicas necessárias para que os carboidratos e as gorduras produzam energia nas células.

A carência de niacina se manifesta com pele seca, enrugada e avermelhada, assim como com debilidade muscular e dispepsia (má digestão). Nos casos de deficiência grave, produz-se uma doença conhecida como "pelagra", caracterizada pelos chamados 'Ds' dermatite, diarreia e demência.

* Minerais: os amendoins são especialmente ricos em potássio (670 mg/100g) e pobres em sódio, sempre que não se acrescente sal; contém quantidades significativas de fósforo, cálcio, magnésio e ferro e são excelente fonte de oligoelementos, tais como o zinco, o cobre e o manganês, superando o conteúdo do peixe e da carne.

* Fibra vegetal: os amendoins são relativamente pobres em carboidratos de tipo celulósico (fibra vegetal), podendo provocar prisão de ventre se consumidos em abundância duma só vez, sem acompanhá-los de frutas ou cereais integrais.

Essa composição tão rica em nutrientes, explica as seguintes aplicações do amendoim:

* Afecções da pele: o consumo habitual favorece o bom estado da pele e das mucosas, devido a seu elevado conteúdo em niacina e em ácidos graxos insaturados. Ambas as substâncias são imprescindíveis para que as células da pele, que estão continuamente se renovando, mantenham-se em bom estado.

* Afecções cardíacas: dada a grande riqueza em ácidos graxos essenciais, o amendoim é alimento recomendável para os que sofrem do coração. Esses ácidos graxos servem de fonte energética fundamental para as células do coração e também contribuem para diminuir o nível de colesterol, melhorando a circulação do sangue nas artérias coronárias.

Os amendoins são pobres em sódio e muito ricos em potássio, que protege contra hipertensão arterial e evita a retenção de líquidos nos tecidos. Naturalmente, para que ocorram esses efeitos benéficos, os amendoins devem ser consumidos sem sal.

Não é nada habitual no variado reino vegetal que os frutos de uma planta se desenvolvam debaixo da terra. Mas é precisamente isso o que ocorre com o amendoim: quando o ovário de suas flores é fecundado e começa a formação do fruto, esse se introduz dentro da terra onde completa sua maturação.

Por isso, alguns pensavam que o amendoim fosse uma raiz ou tubérculo, quando se trata de um fruto subterrâneo. Como ocorre com todas as plantas da família das Leguminosas, o fruto é um legume, ou seja, uma vagem (casca) em cujo interior crescem as sementes, que constituem a parte comestível.

O amendoim constituía um dos alimentos fundamentais dos povos autóctones da América Central antes da chegada dos europeus. Embora alguns historiadores digam que o amendoim procede do Brasil, e outros digam que é da Ásia Oriental.

O que é certo é que os nativos das ilhas do Caribe já cultivavam desde os tempos mais remotos.

Na atualidade, o amendoim é um dos frutos secos oleaginosos mais populares, por seu sabor agradável e suas propriedades nutritivas.

Maneiras de se preparar o Amendoim:

* Tostado no forno: costuma-se deixá-los de 5 a 10 minutos no forno, se estiverem descascados, e de 15 a 20 minutos se estiverem com casca. O ideal é não acrescentar sal.

* Fritos: ficam muito saborosos, mas um pouco indigestos.

* Crus: digerem-se mal e podem apresentar sabor muito desagradável.

* Manteiga de amendoim: elaborada com amendoim tostado e moído. É um produto muito concentrado e nutritivo, substitui a manteiga de leite com muitas vantagens.

* Farinha de amendoim: é muito rica em proteínas e em alguns países se mistura com a de trigo para fazer pães e bolos de alto poder nutritivo.

Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.


Nenhum comentário:

Postar um comentário