Recentes

sexta-feira, 16 de abril de 2021

Jatobá - Suas propriedades terapêuticas

Jatobá- (flor) (Hymenaea stigonocarpa Mart.)

Nome popular: Jatobá
Outros nomes: Jenipapeiro, jenipá, janipaba, jenipapinho, janipapo
Nome científico: (Hymenaea stigonocarpa Mart.)
Família: Fabaceae
Origem: Cerrado brasileiro

Propriedades e apresentação:

Rico em caloria, glicídio, proteínas, lipídios, carboidratos, proteínas, ferro, vitamina A, B1, B2 e Niacina. Fruto comestível, o jatobá se apresenta sob a forma de baga.

Minerais como o fósforo e o cálcio são encontradas na polpa do fruto. A fonte de cálcio do jatobá é três vezes maior que a do leite de vaca.

Também conhecido como jataí ou jutaí, o jatobazeiro é uma leguminosa típica do cerrado brasileiro. Floresce no período de dezembro a março e fornece frutos de julho a novembro.

Emprego e utilização da planta:

Utiliza-se sua casca para a produção de vernizes e corante e seu fruto com polpa farinácea de cor verde clara, comestível é apreciado pela população rural e pela fauna.

O fruto é constituído por uma casca dura, que vai se tornando marrom-escura à medida que amadurece.

Suas flores são brancas e com cinco pétalas livres, atraem morcegos.

A madeira, é de cor vermelho escura, dura, assaz resistente, muito durável, muito pesada. Usa-se para vigamentos, esteios, rodas e eixos de carros, etc.

O jatobá-do-cerrado é uma árvore de pequeno porte e possui uma madeira de excelente qualidade usada na construção civil e naval, a ponto de ter sido por decreto imperial, destinada exclusivamente para esses fins.

O tronco tem casca de fissuras sinuosas e descontínuas.

Uso medicinal: 

A casca preparada por decocção, e a resina que se obtém fazendo um corte no tronco, são adstringentes, peitorais, vermífugos, estomáquicos.

Bexiga: 

Para a cistite, aguda ou crônica, o chá que se obtém pelo cozimento da casca, tomado em doses normais, é um bom remédio. Para a próstata também é um grande medicamento.

Blenorragia: 

Emprega-se também no tratamento desta enfermidade.

Bronquite: para este fim a seiva, misturada com mel; uma colher de duas em duas horas, presta bons serviços.

Dores várias:

Aplica-se a resina em forma de unguento para fomentação ou emplastro sobre as partes doloridas.

Tosse:

A resina em mistura com mel, ou a casca, por decocção, combate este mal eficazmente.

Parte usada: 

Resina e casca.

Também deve ser usado para combater a gripe, asma,  fungos, próstata, gastrite, infecções, câncer, disenteria, laringite, etc.

Fonte de pesquisa: Livros diversos e biblioteca pública.
Texto meramente informativo. Sua visita periódica ao seu médico de confiança é fundamental.



Nenhum comentário:

Postar um comentário